Recomendado por Camélia Bardon

Camélia Bardon
Nessa história linda - e de infelizmente apenas 3.100 palavras, porque por mim eu leria mais 31.000 -, a autora nos entrega tudo de melhor que existe: romance epistolar, histórico (e que é palpável a dedicação da autora em retratar tanto o período quanto relacioná-los ao MCU), o Bucky (rs) e uma personagem original que é simplesmente apaixonante. É maravilhoso acompanhar o casal, que começa com troca de provocações até alcançar um amor doce e intenso. E a gente sofre, viu? Você vai rir, vai chorar muito mas no final vai valer a pena todos os momentos. Vem cá conhecer esse trabalho lindo ♥
PARA "MIM" FAZER

O pronome "mim" funciona sempre como objeto de uma ação, ou seja, é sempre aquele que recebe uma ação, por assim dizer. Dessa forma, a colocação adequada do pronome na frase acima seria "para eu fazer", tendo em conta que "eu vou fazer" alguma coisa, ou seja, vou realizar uma ação. Reparem a diferença entre:
1. Isso é muito difícil para mim.
2. Era para mim ir lá.
Na primeira frase, o "mim" funciona como objeto, ou seja, ele está sofrendo uma ação, não está fazendo nada, a colocação do pronome está correta; já na segunda frase, a colocação adequada do pronome seria "era para eu ir lá", porque, nesse caso "eu" é sujeito, ou seja, eu deveria estar praticando a ação de "ir" lá.
Ficou claro?

(1) ESTÁ / (2) ESTAR / (3) ESTA

(1) Do verbo “estar”, é a conjugação no presente. Pode ser substituído por “tá”, o que é informal e não pode ser escrito. ->Ex: ela está na sala. (Ela “tá” na sala.)
(2) O verbo no infinitivo é usado, principalmente, após outros verbos ou após preposições (de, após, para...). -> Ex: Ela vai estar na sala. (Verbo “vai”, então é seguido por infinitivo)
(3) Demonstra o local ou indica algo. Pode ser substituído por “essa”. -> Ex: esta caixa está no local errado. (Essa caixa...)

Recomendado por Lady Wolf

Lady Wolf
Se você quer se apaixonar por uma protagonista e ficar tentando decifrar cada informação de um capítulo, pode ter certeza que está no lugar certo. Eu estou completamente obcecada por essa história, e não recomendar ela seria um pedaço imperdoável, a cada capítulo o leitor termina com 1000 perguntas, e morrendo de vontade de ler mais um, e mais um, até conseguir saciar essa loucura. Operação Roleta Russa é uma história que me pegou de primeira, como não acontecia a muito tempo, e eu tenho certeza que vai fisgar qualquer um que passe apenas pela sinopse.