Change

Capitulo 7 Repostado


— Vai passar a noite comigo ne? – ele perguntou.

Ele sempre perguntava se eu não queria dormir com ele, só dormir, tipo, ficar de conchinha, se fazer nada que eu não queria, mas que eu quero, so tenho vergonha de falar isso.

— Vou – falei e lembrei do que Izzy falou sobre a Victoria Secret’s no meu guarda roupa.

Minha escuta começou a apitar no meu ouvido e sabia que tínhamos que voltar.

— Srta. Fray, sabe onde está o Sr. Morgenstern? – um dos seguranças me perguntou.

— Sei sim, ele está aqui comigo, já estamos voltando para a festa – respondi para ele e olhei para o Jace – temos que voltar.

— Estava tão bom aqui – ele falou e eu assenti.

Entramos e fomos dançar, só estava tocando valsa, dancei com o Jace, Valentim e com Alec, que parecia bravo com Magnus por algum motivo.

— Ele fica olhando para o barman – Alec me falou durante a dança.

— Ele está provocando ciúmes – falei rindo – É normal. Vai lá e agarra ele. Ele quer que você tome uma atitude.

— Está bem – ele falou e terminamos de dançar e ele foi procurar o Magnus e Jace me abraçou de novo.

As musicas começaram a ficar animadas e Izzy apareceu com um copo para mim, eu sabia que era Red Bubble(N/A: se vocês não forem maior de 18 anos, aconselho que não façam, só coloquei aqui para vocês terem uma ideia do que é), parecia fraco, mas duas doses daquilo ali, derruba qualquer pessoa fraca, eu já tinha tomado uma vez três doses e fiquei bem alegre, mas isso faz anos.

Na pista de dança tinha as pessoas mais animadas e os mais jovens, com a bebida e animação, ninguém mais tinha classe na festa, eu adorava dançar e Jace parecia ser um bom parceiro de dança, bom não, excelente.

Depois de tomar vários drinks que eu sabia que Izzy estava me embebedando para eu deixar a timidez de lado durante a noite, eu não estava bêbeda, e sim alegre, bem alegre, não daqueles tipos que fala enrolado e não consegue se equilibrar nós próprios pés. Eu não sou fraca pra bebida, precisa de muito mais pra me derrubar.

— Margarita! – Jace gritou por causa da musica e me entregou o copo.

— Brigada – falei dando um gole pequeno.

Musica:https://www.youtube.com/watch?v=RF0HhrwIwp0

Tinha acabado de tomar a Margarita quando Sex On Fire começou a tocar. A minha musica preferida, serio, amo King’s.

Agarrei a mão do Jace e fui até onde Izzy estava, só minha melhor amiga sabia o quanto eu amava essa musica. Fiquei de costas para o Jace, ele colocou nossos quadris e dançando devagar. Ele deu um beijo na minha nuca, me fazendo ficar arrepiada.

Dois podem jogar esse jogo. Deu uma rebolada de leve, sentindo ele ficar tenso atras de mim.

Lay where you're laying, don't make a sound. I know they're watching, they're watching— e e Izzy começamos a cantar e dançar, feito duas loucas.

Sabia que dançar essa musica era um problema, era minha musica preferida, nunca ficava sã quando ela tocava e Jace estava colado em mim, passando sua mão pela minha barriga, me deixando com uma trilha de fogo.

Isabelle deu um sorriso malicioso e começou a se afastar da gente, seu olhar dizia que aquilo era uma coisa para duas pessoas. Eu so pensava que eu queria o Jace hoje comigo, pele com pele, com o calor humano.

You... Your sex is on fire— Jace sussurrou no meu ouvido, pressionando seu corpo mais perto do meu.

Vou morrer.

Me virei de frente para ele o beijando desesperadamente, aquele beijo cheio de desejo, quente e excitante, Jace agarrou minha cintura e eu agarrei seus cabelos, arranhando a nuca, ele se separou de mim e saímos da pista de dança, indo para o lugar mais escondido do salão, ainda perto da pista.

Ele me encostou na pilastra e me beijou desesperadamente de novo. O ar faltou e eu achei que foi muito cedo, ele desceu trilha de beijos pelo meu pescoço, dando beijinho e chupadas.

You... Your sex is on fire— Eu sussurrei no seu ouvido dessa vez, porque o desesperado era ele agora.

— Nós vamos embora – ele falou e eu assenti.

A letra agora era clara, um sexo quente como a febre, os ossos se tocando e sentir o gosto. Sim, o meu sexo estava em chamas, Jace deveria estar também, mas eu não estava com vergonha, a bebida ajudava nisso.

Saímos da pilastra e a musica ainda tocava alto, andamos apressado e vi Izzy em um canto rindo, eu e Jace saímos dando tchaus com a cabeça e pequenos sorrisos, peguei minha bolsa e ele o terno e fomos para o carro, quando entramos estavámos ofegantes por conta da pequena corrida.

O que tinha acabo de acontecer? Uma sessão quente de pegação ao som de Sex On Fire do Kings Of Leon. Chegamos em casa rápido, cheguei e subi para o meu quarto rápido, pegando meu celular e vendo se tinha Sex On Fire no meu celular, tirei o vestido e abri o guarda roupa e achei a lingerie que Izzy tinha separado.

Roupa: http://www.polyvore.com/sem_titulo_14/set?id=117005043

— Você consegue – falei passando um batom vermelho.

Não tinha tirado nenhuma joia, ainda estava com tudo, o salto, joias, o cabelo, a maquiagem, so mudei a roupa e a cor do batom. Sai do quarto com o celular na mão e desejo. Abri a porta do quarto do Jace sem bater.

— Achei que estivesse fugindo – ele falou sentado na cama de costas para a porta.

— Não estou fugindo – falei e coloquei a musica no meu celular e ainda no modo repetitivo.

— Você desse jeito no meu quarto, não penso em boas coisas – ele falou se levantando da cama, vindo até mim, me encostando na porta do quarto, trancando-a. – Ainda mais com essa musica.

— Não pense – falei perto do seu ouvido e ele ficou arrepiado.

— Clary, você será a minha perdição – ele falou e devorou meus lábios.

Arranhei sua nuca e agarrei os cabelos macios, ele me pegou no colo e me rodopiou, me colocando sentada sobre a cama. Meu celular foi para não sei aonde, mas eu escutava a musica tocando. Os lábios de Jace estavam tão calmos e fortes.

Ele se separou de mim e se sentou na cama atrás de mim, afastando meu cabelo e beijando minha nuca, soltando o fecho do colar, colocando dentro da cômoda ao lado da cama, os brincos ele tirou com delicadeza.

Ele soltou uns grampos do meu cabelo, deixando uma cascata vermelha surgir ao meu redor.

— Você é linda – Jace falou e se levantou tirando o bracelete com cuidado.

Fiquei de pé e fui tirando a gravata de Jace, jogando em qualquer lugar, abri devagar os botões da camisa social, mostrando seu peitoral definido e gostoso. Seus olhos não estavam mais claros, estavam escuros.

Tirei a camisa dele também e passei minhas unhas pelo abdômen, escutando um gemido sair dos seus lábios, e parei em cima do cinto, abrindo lentamente e passando minha mão sem querer por cima da ereção que já estava formada.

— Parece que tem alguém animadinho aqui – sussurrei no ouvido dele, fazendo o gemer.

Jace coloca as suas mãos na minha coxa, onde acaba a baby doll e puxa para a cima, me deixando de salto e apenas com uma calcinha fio dental preta de renda. Ele abriu um sorriso malicioso e começou a chupar meu seio direito e massageando o outro com a mão.

Joguei minha cabeça para tras, gemendo alto, parecia que eu estava pegando fogo. Fiquei passando minha mão em cima do amiguinho do Jace, que parecia que iria explodir, consegui soltar o cinto e abrir o zíper da calça, foi meio difícil, mas consegui.

Jace se separou de mim e tirou os sapatos dele, a calça e a cueca junto, mostrando um membro bem animadinho, grande e grosso. Ele voltou a me beijar antes que eu me ajoelhasse em sua frente, e senti ele fazendo um não com a cabeça.

Jace me pegou no colo me deitando na cama e tirando minha calcinha fio dental. Assim que senti o colchão em baixo de mim, senti os dedos de Jace dentro de mim. Ele continuou a fazer essa massagem até que cheguei ao meu orgasmo.

Ele se sentou e me colocou sentada em seu colo, mais delicadamente, um belo sorriso no rosto e os olhos brilhantes. Ele me beijou com tanto carinho agora, e me fez sentar em cima do membro dele, colocando lentamente dentro de mim, me fazendo gemer.

Depois de me acostumar com o tamanho dele, começamos a ficar em um vai e vem gostoso, comigo por cima e Jace sugando meus seios, eu gemia alto.

— Jace mais forte – gritei quando senti que eu já ia atingir meu clímax.

Ele começou a fazer uma velocidade mais rápida, eu comecei a sentar no seu colo com mais força e senti quando ele atingiu meu ponto G, me fazendo quase ir ao céu, olhei dentro dos olhos dele naquela hora e eu tinha perdido o folego.

Foi uma coisa que não dá para descrever, nós dois gozamos juntos, olhando olho no olho, parecia magica. Ele me beijou rapidamente, um beijo que poderia significar tanta coisa que eu não sabia qual coisa era a principal.

Estava cansada e me deitei no peito de Jace, dando uma risada e ele acariciando minhas costas.

You... Your sexy on fire— Jace sussurrou no meu ouvido pela ultima vez antes de nós dois cairmos em um sono profundo.

Acordei no dia seguinte bem, até demais, Jace estava abraçado em mim, com o nariz no meu pescoço, dormindo tranquilamente, olhei por debaixo da coberta e vi nós dois devidamente vestidos porque vai que Lilly aparece gritando.

Só não me lembro quando nos vestimos.

Olhei para o relógio da cômoda e eram 11 horas da manhã. Pelo que eu me lembre, chegamos aqui em casa eram 2 horas e fomos dormir as 3 e 10 da manha. Não demorou muito e logo a porta foi escancarada e uma menina pulou na cama, dando gargalhada.

Jace acordou assustado e começou a rir.

— Bom dia – ele falou.

— Bom dia papai, bom dia mamãe – Lilly falou entre nós dois.

— Bom dia – falei dando um beijo na bochecha dela.

— Vocês vão se casar? Porque estão dormindo juntos – Ela falou e eu engasguei.

— Um dia, quem sabe Lilly – Jace falou e piscou para mim.

Obvio que eu fiquei vermelha, ainda mais lembrando de tudo que eu tinha feito na noite passada.

— A Marie pediu pra chamar porque daqui a pouco o almoço ta pronto – Lilly falou e desceu da cama, saindo e fechando a porta.

— Eu que vesti você e destranquei a porta, eram umas 8 horas da manha – Jace sussurrou no meu ouvido e eu assenti.

— Estou morrendo de vergonha – falei escondendo minha cabeça no cobertor.

— Porque? Por ter feito sexo comigo? Isso acontece com qualquer casal de namorados, e eu gostei daquele seu lado selvagem ontem – ele tirou o cobertor do meu rosto e me beijo.

Ele foi tranquilo no beijo, mas começou a ficar bem intenso e então eu o parei, me levantando da cama.

— Nada vai acontecer agora, já pro banho – falei pegando meus sapatos no chão e indo até a porta, também pegando meu celular.

— Ei Clary – ele falou e eu me virei para trás. – Você é maravilhosa.

Sai do quarto mais vermelha que um pimentão, entrei no meu quarto indo direto para o chuveiro, quando passei sabonete pelo meu corpo, lembrei das mãos de Jace passando por ele na noite anterior, me fazendo corar e sorrir involuntariamente.

Sai do banho e coloquei uma roupa qualquer e desci.

Lilly já estava com uma fantasia da Branca de Neve, assistindo o filme da mesma, com Jace ao seu lado, totalmente concentrado no filme com Lilly explicando a historia para ele.

— Entendeu? – ela perguntou com a voz infantil.

— Então a Branca de Neve não pode ser a mais bela? – Ele perguntou – e por isso que ela tem que morrer.

— Si, si – ela gargalhou e eu me sentei ao lado de Jace no sofá.

— Relaxe, você vai decorar todas as falas desse filme antes dela fazer 10 anos – falei para ele e Lilly voltou a se concentrar no filme favorito, teria que fazer o proximo aniversario dela das princesas desse jeito, afinal, ela ganhou a fantasia de todas as princesas.

Terei uma filha mimada.

— Serio? – ele perguntou.

— Eu já decorei as falas, e ela so tem 4 anos – falei.

— Falando em idade, Izzy já começou a fazer sua festa de 22 – ele falou e eu fechei a cara.

— Serio, não preciso fazer festa – falei, lembrando que meu aniversario é daqui a um mês, 22 de novembro

— Segundo Izzy, você não tem uma festa faz tempo, será apenas um jantar, entre a gente, com sua mãe, Luke, meu pai, Izzy, a tia Maryse, só a família – ele falou.

— Que seja só isso mesmo, está ótimo – falei.

Lilly faz aniversario no final de agosto, já tinha se passado o aniversario dela de 4 anos, Jace faz aniversario 18 de março, então, o meu é o próximo, em novembro.

— O almoço está pronto – Escutamos a Marie chamar e fomos para a cozinha.

Tivemos um almoço normal em família, Lilly comia com um sorriso gigantesco e os olhos brilhando de tanta felicidade, Jace já tinha colocado ela em uma escola muito boa, e na escola de balé, porque aquela ali adora dançar.

— A professora falo que eu vou ser uma das fadinhas – ela contava todo dia sobre a peça de teatro que a escola ia fazer. – Já que a plincesa é uma menina maior.

Já tinha descoberto que minha filha era a criança mais paparicada daquela escola, até o pessoal do Ensino Medio cumprimentava ela e a paparicava, gosta de atenção essa menina em.

— E a apresentação do balé é perto do Natal, vai ser muito legal - ela dissera uma vez.

Naquela tarde, Lilly ficou com vontade de ver sua avó, Jace foi com a gente, saímos de Old Westbury Garden que ficava a 40 minutos de Manhattan e seguimos para o Brooklyn, minha mãe estava na casa de Luke, então passamos na livraria.

Minha mãe e Luke estavam bem felizes juntos e queriam se casar e como uma ótima filha disse que eu vou preparar o casamento deles, com a ajuda da Izzy, claro. Mas do jeito que eu conheço minha mae ela vai querer uma cerimonia simples e romântica.

Passamos a tarde com eles, até começar a escurecer, então, voltamos para casa.

Olhei para Jace no banco do motorista e me veio na cabeça se foi cedo demais vim morar com ele assim tão rápido, mas depois me lembrei dele brincando com Lilly outro dia e vi que foi o momento perfeito.

Ele era o melhor homem que eu escolhi para ser pai da Lilly, sem duvida nenhuma e também lembrei o que Izzy falou para mim uns dias atrás.

"– Ele sempre quis te conhecer, sei que nunca apresentei vocês dois porque a maioria das vezes nos encontramos em festas e trocamos mensagens, mas ele sabe tudo sobre a sua vida por minha causa, mas desde que eu mostrei a primeira foto sua pra ele, parece que ele sentiu que você era a mulher da vida dele”

Mas posso parecer uma adolescente apaixonada, mas sinto que ele também é o homem da minha vida, só de olhar dentro de seus olhos.

Naquela noite, eu fui para o quarto dele, mas não fizemos nada, ficamos apenas deitados, quando dormimos, seus braços estavam em volta da minha cintura, seu peito nas minhas costas e sua calma respiração no meu pescoço.

Um momento de paz e tranquilidade.