Change

Capitulo 20


Quando acordei na manha seguinte, decide bolar tudo para pedir desculpas a Clary, não poderia ser um simples pedido, mas teria que ser especial para ela. Fui buscar Lilly como prometido aquela manhã, Clary já havia saído para algumas fotos e Izzzy sorriu para mim naquele dia, acho que ela sabia que eu tinha tomado a decisão certa.

— O que é isso? – perguntei pegando o papel que ela me entregou.

Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no +Fiction e em seu antecessor, o Nyah, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!

— Lilly disse que queria ver a Clary hoje no estúdio, esse é o endereço, não me faça me arrepender de ter te entregado esse endereço em – ela falou e eu sai do apartamento junto com Lilly que estava animada com a ideia de ver a mãe como modelo.

Lilly sempre gostou de ir nos desfiles e nas fotos, apesar de não ter idade de entrar, mas nós sempre conseguíamos dar um jeito, mas festas ela nunca ficou, mas nos desfiles não conseguíamos dizer não, menos no da V.S, esse não dava de jeito nenhum.

O estúdio não ficava muito longe do apartamento dela, estacionei o carro na frente e abri a porta do carro para minha filha, que saiu toda feliz e já foi direito para a porta do estúdio, onde tinha um segurança na frente.

— Olá pequena Lilly, como a Srta. está? – o segurança perguntou amigável então supus que ela já tinha tirado fotos ali antes.

— Estou bem Bob, vim ver a mamãe – falou e sorriu – Esse é o meu pai Bob.

Dei um aceno com a cabeça e ele fez o mesmo.

— Bom, a Srta. Fray está no segundo andar – ele disse e saiu de frente da porta e nós dois subimos, agradecendo a ele.

O térreo possuia uma secretaria e sofás, e logo de cara já havia uma escada que levava para os outros andares, Lilly saia cumprimentando todos a sua frente e eu a acompanhava apenas dando acenos com a cabeça e chegando ao segundo andar.

Parecia um loft, tudo aberto e cheio de pessoas, araras de roupas e equipamentos, alem de vários tipos de cenários para as fotografias, Clary estava posando nas fotos e não prestou a atenção quando chegamos.

Ela estava linda, estava não, ela é linda, usava uma jaqueta jeans, com um top que mostrava sua barriga e uma calça escura e jeans com saltos, seus cabelos estavam cacheados e brilhantes e a maquiagem era clara mas destacava seus olhos verdes, deslumbrante.

— Isso, agora ultima foto e acabamos – o fotografo falou e Clary relaxou a expressão, e batendo palmas assim como o resto da equipe e logo seu olhar caiu sobre nós dois, ela sorriu e uma das meninas foi levar ela até o banheiro para se trocar.

Varias pessoas do estúdio chegavam até onde nós estávamos e conversava com Lilly e eu fiquei olhando a movimentação das pessoas ao redor, fotógrafos, maquiadoras, a produção guardando as coisas usadas no cenário.

Clary chegou até nós uns cinco minutos depois usando uma roupa mais colorida do que os jeans que faziam parte do seu ensaio. Ela continuava linda.

Ela sempre estava linda.

— Oi, o que trás vocês aqui? - ela perguntou e e Lilly olhou para mim.

— Estávamos indo tomar um sorvete, quer ir com a gente? - perguntei meio acuado e Lilly sorria para Clary com todos os seus dentes a mostra.

— Se não for incômodo pra ninguém e se Aline não for se importar - ela disse e eu sorri calmo.

— Não será incomodo nenhum, nunca é. E não se preocupe com Aline, não temos mais nada - falei e Clary parecia surpresa.

— Então vamos - ela disse e Lilly pegou na mão da mãe e elas sairam andando na frente e eu atras com um enorme sorriso no rosto.

Fomos para a sorveteria que sempre iamos, Lilly logo escolheu o maior que tinha na sorveteria dizendo que poderiamos comer todos juntos e nós topados, ela estava feliz por que fazia tempo que não tinhamos momentos assim.

Clary não me olhava direito, e quando ela olhava, eu respondia o olhar e ela desviava com uma certa expressão no rosto que eu não conseguia decifrar muito bem, antes eu sabia o que significava todas as suas expressoes, mas parece que Clary conseguiu uma maneira de oculta-lás.

Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no +Fiction e em seu antecessor, o Nyah, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!

Lilly saiu para ir nos brinquedos que ficavam no parquinho da frente da sorveteria e nós dois ficamos sentados um na frente do outro com um silêncio constrangedor no ambiente.

— Clary, eu queria te pedir desculpas, sei se não fui muito justo com você nos ultimos anos mas… - não pude terminar minha fala e ela me olhou sem expressão.

— Você acha que é simples? É apenas terminar com a Aline, me perdir desculpas e dizer que não fui justo e você acha que esta tudo bem? - ela perguntou meio irritada e eu não tiro a razão dela.

— Não acho que esta tudo bem, eu sei que foi dificil para você esses anos e eu me culpo por isso, eu sinto muito mesmo, sei que você não vai conseguir me perdoar tão rapido ou nem sei se voltaremos a ficar juntos. Não foi certo o que eu fiz com você. Peço desculpas - falei e ela respirou fundo.

— Olha, eu confiei em você e você confiou em mim, porque simplesmente não poderia ter continuado com essa confiança antes de tirar conclusões precipitadas? Me machucou muito a forma que você me julgou, me condenou por algo que eu nem fiz, imagine você acordar de manhã não se lembrando de nada e ainda ter que aguentar o seu olhar frio e de nojo em cima de mim. Eu estava confusa e perdida, além de gravida e você não quis acreditar em mim. Isso foi o pior, você preferiu fechar os ouvidos para a verdade - ela falou e eu vi seus olhos acomularem lagrimas - Talvez não seja agora que eu te perdoe, vai demorar um tempo, eu preciso que você confie em mim 100% se quiser que isso dê certo novamente, não posso simplesmente esquecer esses anos e ficar por isso mesmo. Um dia futuramente eu irei te perdoar, mas por agora, o que você tem que fazer é recuperar minha confiaça.

— Eu vou tentar fazer isso, você é muito importante pra mim, você e a Lilly, não posso deixar vocês irem - falei e abaixei a cabeça.

— Eu seria incapaz de tirar Lilly de voce, ela te ama, voce é o pai dela - ela falou e eu segurei sua mão em cima da mesa, sentindo uma sensação que a tempos não sentia, conforto.

— Obrigado, mesmo, e apesar de tudo, eu ainda amo você, fui um idiota eu sei. Eu vou fazer de tudo para recuperar sua confiança de volta - falei e ela sorriu fraco para mim, deixando uma lagrima cair. - Não vou deixar você escapar mais uma vez, eu sei como é essa sensação e não quero senti-lá de novo.

— Fico feliz em ouvir isso - ela fala e aperta minha mão em um carinho gostoso e que eu sentia falta.

Eu vou conseguir ter ela de volta nos meus braços e dessa vez nada vai atrapalhar.