Change

Capitulo 14 Repostado


— Clary?

— Não acha cedo demais? Quer dizer, estamos morando juntos desde que começamos a namorar, você adotou a Lilly, isso já era cedo pra mim, são só 4 meses e já quer um casamento?

— Não é como se fossemos casar amanhã Clary, podemos casar daqui a um ano, o tempo que você quiser, mas diga que aceita. – ele falou com um desespero na voz e os olhos brilhando. – Não precisamos organizar um casamento as presas, podemos fazer tudo com calma e uma cerimônia simples se for do seu gosto, sem nada muito grande.

Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no +Fiction e em seu antecessor, o Nyah, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!

Comecei a sair do coração das pétalas e ele abaixou a cabeça, caminhei em sua direção e segurei suas mãos, ele estava mais alto do que eu por estar dois degraus a cima.

— Eu aceito me casar com você – falei e ele começou a rir, desceu os dois degraus e me abraçou, me rodopiando no ar.

— Eu amo você, juro que será a mulher mais feliz do mundooo – ele falou e eu ri, beijando seus lábios macios.

— Eu amo você – falei assim que nos separados e eu fui colocada no chão.

— Eu gostaria muito de fazer horas e horas de amor com você, mas no momento estou com fome e sei que Marie fez uma coisa que você ama.

— A lasanha com molho branco?

— A própria – ele falou e me puxou em direção a mesa da sala de jantar.

POV Aline.

— Droga de celular – falei jogando ele na parede.

Já era a terceira vez que tentava ligar para umas amigas e ele não funcionava.

Resultado, meu Iphone 7 novinho quebrado no chão, amanhã compro outro.

— Pra que tanta raiva querida prima? – escuto a voz de Sebastian atrás de mim e me viro sorrindo delicadamente para ele.

— Essa operadora é imprestável, amanhã mudo essa droga, mas me diga priminho, como está nessa linda noite? – pergunto e me sento na minha poltrona rosa, e Sebastian se senta no sofá normal.

— Muito bem Aline – ele respondeu e dá um sorriso malvado. – Estava pensando em fazer uma visita a minha querida filha.

— Aquela peste, como foi ter uma filha tão insuportável, e a mãe, meu deus, nem o melhor esteticista salva – peguei a revista que tinha em cima da mesa com a sem sal da Fray na capa usando uma joia nova da Tiffany. – Como as pessoas contemplam a beleza sem sal dela?

— Sei que você a odeia, mas ela é gostosa – meu primo falou e eu taquei a revista nele. – Por mais que odeie aquele playboyzinho de merda que você ama, tenho que admitir, ele tem um ótimo gosto para mulheres.

— Claro, por isso eu namorava ele – falei dando um sorriso malicioso. – Como você quer visitar sua filha, acho que vou junto, fazer uma visita ao casal adorável.

— Então vamos – ele se levantou e pegou as chaves do carro.

— Não vou vestida desse jeito, isso é roupa velha, para ficar em casa – disse me referindo a uma blusa que comprei na semana passada na Hollister - me de 10 minutos que volto fabulosa.

Peguei um conjunto branco de saia e uma blusa que tinha um bordado que parecia um colar e para deixar o meu look mais fabuloso, usei o resto tudo rosa, bolsa, blazer, maquiagem, batom, sapato, pulseira, menos o brinco que era um prata mais simples.

Deixei meus cabelos lisos escorridos mesmo e desci devagar encaixando os óculos escuro na cabeça.

— Olha, já são escureceu, não precisa desses óculos. – ele falou e eu o encarei.

— Faz parte do look querido Sebastian, então. Fica quieto – falei e ele abriu a porta de casa.

Minha casa ficava em um grande condômino luxuoso um pouco depois de Manhattan a casa de Jace ficava bem mais pra frente do condomínio.

A viagem foi ao som de música, só isso, nem ousei trocar palavras com Sebastian porque ele falou dos meus óculos. Chateada. Quase chegando a casa do meu Jace, encontrei umas placas no meio da rua, escrito “Eu te amo” e essas merdas ai.

Quando chegamos na mansão tudo que se via era que ninguém estava em casa, mas os dois carros posicionados na garagem desmentiam isso, sai do carro e me aproximei da janela, vendo velas espalhadas pela sala toda.

Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no +Fiction e em seu antecessor, o Nyah, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!

— Ela é macumbeira – falei e Sebastian se abaixou e viu a janela também – Eu vou ver se o Jace ainda está vivo.

Fui para o outro lado da casa onde tinha vista para a sala de jantar, onde vi a cena desagradável, Clary estava deitada na mesa, Jace em cima dela mostrando os seus músculos definidos e ela sem nada em cima, com uma saia até a cintura e saltos, usando um colar muito extravagante que reconheci de longe sendo de Oscar De La Renta

— Que nojo – falei vendo a casa em um quase sexo em cima da mesa de jantar.

Vi também quando eles se afastaram com presa por conta da campainha. Sebastian porque tocar a campainha agora?

Fui até a frente da casa não querendo ver os dois se recuperando por completo dos amasso e logo Jace abriu a porta, ele estava tão perfeito, o peito subia e descia com rapidez, seus cabelos bagunçados e sua blusa colocada de qualquer jeito.

— O que fazem aqui? – ele perguntou fechando um pouco a porta para que não fizemos nada lá dentro.

— Vim ver minha....filha – Sebastian falou e Jace começou a gargalhar.

— Desculpa, mas seu nome não está na certidão dela, e no documento, não possuem seu nome, apenas o da mãe e o do pai, que no caso, sou eu – Jace falou e eu fiquei com raiva.

Como ele pode adotar uma pentelha?

— E outra, ela não está aqui – ele falou – Será que podem ir embora?

— Na verdade, adoraria uma taça de vinho – falei e sorri.

— Na sua casa tem bastante, beba lá – ele falou e já ia fechar a porta quando me coloquei na frente o empurrei.

Ele nunca encheu a casa cheia de velas para mim, nem pétalas de rosa.

— Temos visita – Jace gritou da porta para dentro da casa, ainda estava tudo apagado.

O perfume das rosas, as velas no chão, a mesa de jantar montada para dois, com certeza consegui quebrar o clima de romance dos dois, mas confesso que estava ficando enojada com o romancezinho.

Clary apareceu na porta da cozinha bem melhor do que a última vez que a vi, seus cabelos estavam no lugar assim como sua roupa, sem nenhum vestígio do que rolou na mesa de jantar, isso me deixou enjoada.

Ainda mais depois que vi o reluzente colar Oscar de la Renta em seu pescoço acompanhada de brincos lindos, e então parei em suas mãos, uma estava ao lado do corpo e a outra estava segurando o braço, deixando visível sua mão com um brilho especial no dedo.

Um anel de diamante.

Ela reparou que eu estava olhando e cruzou os braços, indo até o lado de Jace que estava na metade da sala ascendendo a luz e pegando algumas velas do chão e as apagando.

— Cadê seus queridos empregados? Eles podem fazer isso por você – falei me sentando no sofá e vendo um coração de pétalas de rosa com um desenho de uma escrita.

— Estão de folga hoje – ele respondeu seco e foi até a cozinha, deixando a Clary comigo e com o Sebastian na sala.

— Cadê a nossa filha? – Ele pergunta e ela o olha com muito ódio.

— A minha filha está com meus tios e o Simon – ela fala e Sebas faz uma careta.

— Odeio aquele pivete – ele falou e Clary o ignora, tirando mas algumas velas do chão, e também indo para a cozinha, me dando a oportunidade de ficar em pé para ler a frase no chão.

— Que vinho vocês querem? – Jace me pega de surpresa, ele está na porta da sala e olhando para mim desconfiado.

— Adoraria visitar a adega – Sebastian diz.

— E eu vou ao banheiro – digo e sigo até a porta perto da sala de jantar, onde há um lavabo para as visitas.

Eu desconfio o que a escrito no chão, mas posso demorar mais uns 10 minutos para ver, já que meu rímel está saindo e meu batom já não está mais rosa, tenho que retocar.

Quando abro a porta do banheiro, não sei, uns 15 minutos depois, mais sexy o possível que cheguei, encontro uma sala sem absolutamente nada, só com algumas rosas em vasos grandes e o seu perfume.

— Quem arrumou tudo, o Flash? – sussurrei para mim mesma com raiva por não ter pego a frase no chão.

Os homens voltam e Jace se senta no lugar de sempre, eu até ia me sentar onde sentava, atrás dele, com o braço apoiado em seu ombro fazendo carinho em sua nuca, mas Clary chega com quatro taças de vinho e as colocando as taças na mesinha de centro.

— Quem arrumou tudo tão rápido? – perguntei.

— Pedi para Marie chamar Alex e Vivian para me ajudar com as velas – Clary falou e Jace lhe entrega a taça, ela entrega a primeira taça a Sebastian e depois para mim.

Ela se senta ao lado dele e pega a taça que está em sua mão. Eles sorriram um para o outro e bateram suas taças e Clary sussurrou algo para ele que eu não entendi. Jace estava realmente gostando dela, e não seria sendo inimiga dela que o conseguiria de volta.

Mantenha seus amigos perto e seus inimigos mais perto ainda.

— Acho que comecei errado com você Clary, sabe, eu sinto muito. Não é fácil terminar um namoro de anos, mas espero que nós possamos ser amigas. Sabe, fui errada em julgá-la desde o início, sem saber o que você passou e meu priminho foi um covarde com você. Peço desculpas – falei soando a mais arrependida possível.

Minha declaração pegou os três de surpresa, mas Sebastian escondeu a surpresa rápido, abaixando a cabeça por ter sido um covarde.

— Isso foi, uau, mas sim, eu aceito suas desculpas, realmente é difícil superar o fim de um namoro – ela falou bebendo um pouco mais da taça e de novo reparei no anel.

— E Clary, sei que é incapaz de esquecer o que eu fiz a você, mas saiba que eu me arrependo todos os dias por ter te chamado de interesseira, peço desculpas e se um dia você me perdoar de verdade, quero me aproximar da minha filha. E Jace, não quero brigar, só recuperar o tempo que perdi.

Jace assentiu com a cabeça e abriu um sorriso logo depois, se levantando.

— Já que vocês dois estão aqui, podemos contar a boa notícia – ele falava feliz e Clary parecia um pimentão. – Estamos noivos.

EU SABIA!!

Consciência, você nunca falha.

— Parabéns aos dois, muitas felicidades – falei indo abraçar o Jace e depois a Clary que se levantou do sofá. – Deixa eu ver o anel.

Ela o anel mais lindo que eu já vi, diamante rosa, grande em forma de coração, com pequenos diamantes na armação do anel. Eu quero esse anel para mim e ele vai ser meu.

Saímos tarde da casa do Jace, depois de eu fingir ser amiga da sem sal da Clary, falando tudo sobre moda achando que eu ia conseguir humilha-la, mas ela já sabe tudo na ponta da língua.

— O que você está tramando? – Sebastian me perguntou no carro e eu apenas sorri e disse.

— Mantenha seus amigos perto, e os inimigos mais perto ainda – e pisquei para ele que deu risada junto comigo.

Agora é só bolar o plano.

Fim Pov. Aline

roupa Aline: http://www.polyvore.com/cap_15/set?id=148282409

Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no +Fiction e em seu antecessor, o Nyah, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!